Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



terça-feira, 2 de março de 2010

Despedida





Eu não gosto de despedida,
Não sei o porquê
Que no instante
Que se faz o momento
De separar,
Sinto-me igual,
Partida!

Tão separada,
Tão dividida,
E repartida
Dentro de mim mesma!

Um pedaço de mim
Que fica,
Entrelaça-se ao que vai
Querendo com o outro ir,
Acompanhar por inteira
Quem parte!



Pois ficar é sentir o romper à alma,
Eclodir o ser!
Deixar em farrapos
Quem fica,
Ao ver o outro ir!

E quando chegar o momento
E tu tiveres que ir
E eu não estiver aqui
Para vê-lo partir
É que me antecipei,
Parti!
Eu não gosto de
Despedida!
                                                                                                  
                                                                                                          

Marluce Freire do Nascasbez



Um comentário:

  1. Gostei muito de seu poema... acho que a distância é algo díficil de ser superada,
    pois metade de você vai e a outra metade fica ali tentando superar a dor de se sentir incompleta.

    um abraço
    ^.^

    ResponderExcluir