Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Dá saudade



.
.



( À Lígia Saavedra / "Perdeu" alguém especial)



Das saudades...



A primeira flor que colhi na vida,

Foi (a) saudade!



Colhida quase em botão,

Para outro... ...também colhido em botão...





Cobri a morte de saudades,

E morri das mesmas flores...



Marluce Freire Nascasbez
.
.


Reedição!
.
.

Eu já perdi alguém especial!


.

.
.
.
.
Acho que quem “partiu de nós”

É como uma flor que viveu em algum jardim,

Alguma borboleta polarizou-a,

Já deve está em outro jardim, sendo flor...



Marluce Freire Nascasbez

.
.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Do amor...

.
.
O inquieto coração


Que pulsa em meu peito,

Às vezes salta fora dele

Decidido a abandonar-me,

Só porque o aprisiono ao cativeiro,

Não quero amar de novo...

Só por isso ele quer romper o elo comigo...




Insatisfeito,


Intranquilo,


Desinquieto,

Arredio




Ele atormenta-me querendo amar de novo,

Diz não querer viver de solidão...



E eu o vigio!



Finjo não sentir o acelerar dele de vez em quando...




Pode dentro de mim se debater, pois tenho que me dedicar mais

A mim mesma...

Digo não a viver de servidão ao amor!




Em minhas noites de insônia, imponho-me a lembrar à sua causa...

E ao entrefechar meus olhos já pesados do cansaço, num instante sonho ao que põe meu coração ao alvoroço...




E acordo prá dizer a meu coração que a vida é tão diferente fora dele, mais feliz...

Mas ele nega e renega e me quer a viver no frenesi do amor!




Faz beicinho,

Fica indiferente,

Desgarrado de mim...




Prá viver de bem com ele, tive que ceder!




...estou a amar de novo!






FICÇÃO


Marluce Freire Nascasbez
.
.

domingo, 24 de outubro de 2010

Coisas do meu sertão...


.
.


A lua é mais bonita,

Lá pertinho da capela!



Lá onde se faz o sinal da cruz,

Lá onde “os vivas” a Jesus

São tão cheios de tanta fé...



Lá a lua flui divindade

Ao conter-se em oração!



Lá a lua é mais bonita!



Lá, a lua entra e reza na capela!



E minha prece envio de carona pela lua,

Para céu!





A lua é mais bonita,

Lá pertinho da capela!





Marluce Freire Nascasbez

.
.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Imagem google






O vaga-lume ( pirilampo)







O vaga-lume

É um artrópode,

Diz a ciência!



Digo eu!

Um vaga-lume

É o olho de Deus disfarçado

Pairando no ar,

Querendo ficar bem pertinho de nós!



Talvez,

Dizendo baixinho:

__ Eu gosto de divagar,

Nas asinhas do vaga-lume...







Marluce Freire Nascasbez
.
.
.
(Na mais pura intimidade com Deus!)

segunda-feira, 18 de outubro de 2010


.
.


Eu nasço flor por toda parte,


Encontro frestas de mim e saio

Para ser flor!



Desafio qualquer obstáculo, até as pedras abrem caminho,

Sabem que nada me impede,

Quando quero ser flor!




E ainda dou sombra para uma poetisa que há em mim!




Marluce Freire Nascasbez
.
.






Não sou muito de mandar flores,


Prefiro mandar o perfume delas,

Aí é coisa sua, somente sua, saber recebê-lo!





Marluce Freire Nascasbez
.
.
.
.




Nem questiono a cor que o universo tingiu o meu cabelo,

A minha pele...

(Questiono minhas escolhas!)



Dos estereótipos...




Isso me faz bem!



Assim me disfarço,

e poucos percebem que tenho um pássaro azul em minha cabeça...



Isso me faz bem!





Marluce Freire Nascasbez
.
.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Ao (s) pássaro (s ) Chico



.
.


Bem-te-vi,
 pintassilgo,
 CHICOBuarque,
 assunpreto
xexéu,
acauã,
azulão,
patativa,
uirapuru,
craúna,
galo de campina,
cancão,
 asa branca,
golinha,
tico tico,
azulão,
rouxinol,




Cantou em minha janela,


É passarinho!






Sábias aves!



São todos sabiás,



Sabias?





.
.
 
                                                            Marluce Freire Nascasbez
.
.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Oscar Niemeyer

.
.
Um poema à Oscar Niemeyer
Um poema a Oscar Niemeyer




Dizem que Oscar Niemeyer

Definiu a vida: Solidariedade



E só por solidariedade ele faria para mim

Uma casinha

Podia ser até a meu gosto! (rs)



E se ele deixasse,

Eu ainda diria: __Quero uma casinha em forma de flor!



No jardim, uma florzinha de concreto, com um lindo colibri do mesmo tecido da flor!

Ele esvoaçando a flor, enamorado...

Parando no ar, de vez em quando, a me olhar!

E disser sorrindo: tão astuciosa quanto Niemeyer!



A flor, ele escolheria o perfume a seu bel-prazer!




E eu riria como os sinos da Catedral de Brasília!

 Niemeyer! 
 Niemeyer!
 Niemeyer!



E pensaria: isso é uma oração de concreto!



Duvida que ele faria?

Eu não tenho dúvida!

Esse Niemeyer tem alvará lá do Arquiteto do céu!










Niemeyer, um abraço, Marluce

Marluce Freire Nascasbez








Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein.



Oscar Niemeyer
.
.