Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



domingo, 24 de janeiro de 2010




   .
Quando abrimos a janela




Colocamos a cara no mundo

E nele a poeira ofusca a vista, é certo!

Mas não nos impede

De soprarmos

O pó

E vermos que quando abrimos a janela,

O sol não mais se esconde por trás dela!






Marluce Freire Nascasbez
.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Jasmim







.


Foto: Marluce Freire Nascasbez
Foto trabalhada em photoshop
.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Meus meninos quando pequenos!



.
.






“A decisão de ter um filho é muito séria. É decidir ter, para sempre, o coração fora do corpo”.

                         E. Stone


quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

A bruxinha

.
.





A bruxinha de mau humor,

Varreu as estrelas do céu!



Deixou a lua tão triste,

Que ela



C








                              A











                                                                          IU




Do céu!





Juntei todas as estrelinhas

E devolvi ao céu!



E a lua tão pesada,

Em uma fase daquelas,

Esborrachou-se no chão!



O que eu faço

Para pôr a lua no céu,

Se a bruxinha tacou-me a vassoura



E                   v a r        re         u          -me     do                  papel!







Marluce Freire Nascasbez





Sou fã das bruxinhas Madame Mim e Maga Patalógica

.
.



























.

Ao Haiti










.
.

Foto: Marluce Freire Nascasbez




terça-feira, 12 de janeiro de 2010

.
.
Eu queria escrever versos




Como quem limpa feridas esperando a cura,

Como quem sopra as cicatrizes de suas chagas, expulsando-as de si!

Como quem luta em deixar morrer uma dor que calejada pulsa,

Como quem rega espinhos esperando a rosa,

Como quem em uma única estrela no céu, vê a Via láctea!

Como quem dá abrigo a lua no piso de sua casa,

Como quem abre as persianas e deixa o sol deitar-se no sofá da sala,

Como quem ama muito, incondicionalmente!

Como quem come o pão de seu próprio suor!

Como quem é irmão de Francisco!

Como quem não é indiferente à dor de que não sente...

Como quem luta por seu e de outrem, o direito à vida!

Como o aflito, mortificado, ainda procura dar sentido à sua vida!

.
.

Marluce Freire Nascasbez

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Libeliando

.
.
.













.

Que a sua vida seja leve,
Seu corpo possua asas transparentes
Sempre prontas para alçar voo... pouso...
E na sua alma olhos de libélula
E  na hora mais precisa saiba planar
"Libeliando"
Assim serás imenso!
.



Foto e poema: Marluce Freire Nascasbez
.
.

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Dias chuvosos

.
.
Chove lá fora

E no meio da chuvarada

Ouço um canto de um pássaro,

Um canto encharcado d’água

Que respinga em mim!


Não sei se água, ou se lágrima,

Mas seu canto

Cai gotejando

Em um canto dentro de mim


Que meu coração

Escuta calado,

Chuvoso...







Marluce Freire Nascasbez
.

Olha o passarinho! CLICK!


.
Meu lindo pousando para foto!


.

Foto: Marluce Freire Nascasbez

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Feliz 2010!



.
.

.
.
Que o Menino Deus conceda-te a graça do renascimento, sem datas e horas previstas...

.
Foto: Marluce Freire Nascasbez
.