Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



sábado, 27 de fevereiro de 2010


 

Último Regresso

Getúlio Cavalcanti

Composição: Getúlio Cavalcanti

Falam tanto que meu bloco está,
dando adeus pra nunca mais sair.
E depois que ele desfilar,
do seu povo vai se despedir.


Do regresso de não mais voltar,
suas pastoras vão pedir:
Não deixem não, que o bloco campeão,
guarde no peito a dor de não cantar.
Um bloco a mais é um sonho que se faz
o pastoril da vida singular.

É lindo ver ver o dia amanhecer,
ouvir ao longe pastorinhas mil,
dizendo bem, que o Recife tem,
o carnaval melhor do meu Brasil
.

Carnaval 2010 / Recife no Marco Zero



.
 Zé Ramalho






"Vocês que fazem parte dessa massa que passa nos projetos do futuro






É duro tanto ter que caminhar e dar muito mais do que receber






E ter que demonstrar sua coragem à margem do que possa parecer



Ê, ô ô, vida de gado, povo marcado, ê, povo feliz


Ê, ô ô, vida de gado, povo marcado, ê, povo feliz"
.
.
Fotos: Marluce Freire Nascasbez  rsrs
.

Foi tão lindo!!!! Inesquecível!


.
.
Frevo do Galo
Letra: Fernando Azevedo Música: Paulo Gama e Fernando Gama






Acorda Recife, acorda
Que já é hora de estar de pé
Levanta, o carnaval começou
No bairro de São José


Vem, vem meninada
Vem conhecer o Galo da Madrugada


O Galo vai desfilando
Com beleza e harmonia
E o Enéas comandando
E mostrando a alegria, de um carnaval
Que basta brincar um dia


Vem, vem meninada
Vem conhecer o Galo da Madrugada


Se você desfilar esse ano
Nunca mais vai esquecer
Do Padre Floriano
E no bairro de São José
O Galo é quem vai cantar
E o Galo é quem vai mandar



Foto: Marluce Freire Nascasbez
.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

.


.
.

Átimo


A borboleta fecha as asas,
Ao abri-las,
Acorda o jardim!

.
Marluce Freire Nascasbez
.
.
.

sábado, 6 de fevereiro de 2010


Das prisões


Enclausura-se o homem
Em suas incalculáveis prisões
Construídas por ele mesmo!
Preso em cárcere
De seu próprio cunho
Terce-se uma camisa de força
Que o abraça impiedosamente...
Alimentado por ele
Seus próprios inimigos carnífices
Nutrem-se de suas fraquezas,
Proliferam seus algozes
E crescem com mimosas pompas
Todos seus inimigos por vós mesmos amanhado,
Para devorá-lo!

.
Marluce Freire Nascasbez



terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

.
.
Construção






Inquieta é minh’alma,
Em sua inquietude, insensata!

Debate-se em frenesi,
Arranhando-se aqui e ali

Fere-se,

Corta-se,

Sangra...

Cicatriza-se
Lapidando assim
O meu ser,
Construindo-me!






Marluce Freire Nascasbez
.

Filha do sol





.





Parida do ventre ressequido

Dessa terra

Sertaneja

Nasci

Pernambucana!


Das entranhas

Desse solo semi-árido
.
Também brota flor!


.
Marluce Freire Nascasbez

Foto: Elizangela Medeiros
.