Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



segunda-feira, 31 de maio de 2010

Recôndito

.
.
.
.

.
.
.


Há uma menina que me persegue,
Que me olha entre barreiras...


Sei que ela sempre vai estar ali junto de mim,
(Nunca vai crescer...)

Quase nunca a encaro,
Mas nunca a ignoro!


E olhá-la nos olhos,
 Ofusca-me a vista,
.
.
Doe-me o âmago...
.
.
...magoa-me a cicatriz...
.
.
.
...arrebenta-me novas feridas...
.
.
.
Para ela todo o mimo é pouco,
Pois ela é uma menina que sofreu,
Abandonei-a na estrada da vida,
Ela é órfão de meu amor,
Essa menina sou eu!

Que me persegue,
Que me olha entre barreiras,
Que não consigo olhá-la nos olhos sem estraçalhar-me por dentro!
.
.
.
( DEDICO  A UMA VÍTIMA "DA VIOLÊNCIA QUE  CONDENA O HOMEM  A CÁRCERES ETERNOS"! / ELA FOI MINHA INSPIRAÇÃO PARA ESSE POEMA _  DEPOIMENTO!).
         ( Vítima da violência familiar )
.
Marluce Freire Nascasbez
.
.



Nenhum comentário:

Postar um comentário