Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



segunda-feira, 5 de julho de 2010

.
.


.
.

É do amor que falo,

É dele o vermelho!


Quem o usa, pede-o emprestado!





Marluce Freire Nascasbez
.
.

11 comentários:

  1. Buon semena,
    Louisette del Belgica.
    http://blog.seniorennet.be/louisette/
    http://passionretrieverpets.blogspot.com/
    http://retrieverhond.eigenstart.nl/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marluce,

    e esse vermelho do amor ( ou será da paixão ? ) se confunde num arco-íris... quero todas as cores emprestadas...

    abç

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Marluce,
    Vim te agradecer o comentário no post do Profeta Gibran...
    e encontro um bela poetisa e esta Maravilha de Blog!
    Lindas citações, belas pessoas,
    e tua poesia me encanta!
    Que bom t conhecer!
    Beijos no teu coração- amor- vermelho!

    ResponderExcluir
  5. Querida amiga.

    Quando falamos de amor,
    falamos de nós,
    pois o amor é a cor da nossa vida
    e dos nossos sonhos.

    Dias de paz para ti.

    ResponderExcluir
  6. Eu quero ser vermelho essa noite... vrmelho de paixão e amor! Poema sucinto e profundo!

    ResponderExcluir
  7. Oi Marluce!

    Obrigada pela visita! Vim conhecer seu espaço e adorei! Só posso dizer que essa frase do início era tudo que eu precisa ler hoje!
    Eu lá pensando em pisar em brasas e talvez a questão fosse a neve...

    ...Não é de fora que a nave vem
    É de dentro do peito que a nave sai...
    Zé Ramalho / Chico César

    Já estou seguindo!
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  8. O amor! Ah, o amor!
    Marluce querida vc é a poetisa da esperança e o amor aviva este momento.

    Muito obrigada pelo seu carinho com a gente!

    Bjs amiga

    ResponderExcluir
  9. ta lindo e profundo
    é realmente esse vermelho que queremos emprestado todos os dias.
    Beijo!

    ResponderExcluir