Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



domingo, 13 de março de 2011

Fotografia


Arquivo pessoal

Tenho em minhas mãos,
 Uma fotografia,
O meu retrato!
Que não mais me retrata...
O retrato de um ser
Que nem mais reconheço...
Que não me vejo,
Que não me enxergo nele!
Por mais que me olhe,
Por mais que me esforce,
Não me encontro nessa imagem,
Na fotografia!
Essa pessoa do retrato
É outra pessoa,
Não retrata mais quem sou!
Onde está essa pessoa
Que um dia eu fui?

Essa pessoa do retrato,
Não existe mais!
Aonde perambula,
Onde se entreteve
Essa que um dia eu fui,
Que cruzou os braços
Para ação do tempo
E deixou que ele transformasse-a
Em uma pessoa
Que essa fotografia
Não a retrata!  


             Marluce Freire Nascasbez




23 comentários:

  1. Qto tempo, Marluce! Saudades sentia dos seus ecritos-poéticos...
    Uma boa semana! Abçs*

    ResponderExcluir
  2. Marluce Querida!

    E eu já estava com saudades sem "medidas" de vc!

    Por onde andou! Que não mais me alegrou com sua doce e contagiante poesia!

    Saudade da sua amizade!

    Beijos e uma semana de paz!

    Sil

    Com carinho

    ResponderExcluir
  3. Marluce,
    O tempo faz e refaz
    E nunca olha para trás.

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  4. Oi, Marluce!
    Demorou, mas voltou em grande estilo, hein!
    Ficou lindo o novo layout. Adorei a foto!
    Mas esse poema... Maravilhoso!!!
    Menina, eu me identifico tanto com o que você escreve!
    Bjos ;)

    ResponderExcluir
  5. Oi Marluce!

    Eu também estava com muita saudade de visitar os amigos, vir aqui ler seus poemas que embalam minha alma... Obrigada pelo seu carinho minha linda amiga poetisa...

    O meu tempo ainda é escasso, espero que tudo volte ao normal em breve.

    Esse seu poema (belíssimo!!!) retrata bem o meu sentimento quando olho uma fotografia minha antiga. Às vezes lamento por não ter o poder de segurar o tempo com as mãos... Mas a vida é isso, mudamos na aparência física e no nosso interior. Que pelo menos interiormente seja para melhor. É o que todas nós, mulheres vaidosas, esperamos rsrs

    Adorei a nova foto, está mui bela mesmo que não tenha se reconhecido nela rsrs.

    Um bjo enorme com muito carinho!

    ResponderExcluir
  6. QUERIDA MARLUCE,

    AS FOTOS SÃO APENAS INSTANTES...
    SEMPRE MUDAMOS, MORREMOS E RENASCEMOS.
    AODREI CONHECER VOCÊ E SUAS PALAVRAS.
    ESTOU SEGUINDO,

    BEIJOS

    ResponderExcluir
  7. Olá Marluce!
    Vim conhecer seu espaço e me deparo com essa linda poesia! Valeu, amiga. Voltarei mais vezes
    Bjsssssssss

    ResponderExcluir
  8. Marluce, minha SEMPRE QUERIDA!!

    Ô minha linda, peça perdão não pela ausência, senão peço a ti tbm, e amigos nem precisam disso.
    Sei bem o que é isso, ando ausente tbm de muitos blogs queridos, diria que minha vida de uns meses pra cá tem sido de terremotos, mas estou levando com Fé em Deus, porque sei que no final tudo dará certo.
    Mas pessoas como você, sempre vão estar no meu coração. Quero que você jamais se esqueça do quanto me é querida.

    Quanto a mim...ahhhh, tbm me olho as vezes no espelho e me pergunto onde estou...não me reconheço Marluce..

    Lindoooo texto minha amiga, tudo que vem de você é lindo demais.

    Um beijooo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Marluce, é bonito ver como essa fotografia te inspirou, lindo o seu poema.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá, bom dia!

    Minha 1ª visita.

    O blog é muito interessante e variado.

    Saudações poéticas

    ResponderExcluir
  11. muy guapa en la foto...feliz semana
    Marina

    ResponderExcluir
  12. Oi Amiga Querida!

    Como é bom ve-la chegar...! Sua presença e amizade tem um valor imenso!

    Preciso que vc conheça meu outro blog! Tá faltando vc lá!

    http://versosvermelhos.blogspot.com

    Te espero!

    Beijos e uma noite linda!

    Sil

    Com carinho

    ResponderExcluir
  13. .

    Marluce, você quem é uma querida!

    Saudade enorme...

    Lindo poema de retorno!

    ♫ Onde você ainda se reconhece
    Na foto passada ou no espelho de agora? ♫

    A cada dia ser novo.
    Nos (re)inventarmos sempre!

    Abraço E-NOR-ME pra ti também.
    Com todo meu carinho.

    .
    .

    ResponderExcluir
  14. Oi, Marluce!
    Gostaria de postar esse seu poema lá no blog, posso?
    Bom final de semana, amiga.
    Bjos ;)

    ResponderExcluir
  15. Gostei bastante do se blog, estou seguindo, segue o meu como retribuição ?

    http://alibertario.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. A vida é dinâmica, Marluce. O importante é olhar pra frente e desfrutar ao máximo cada dia. E veio a cabeça a "chanson" de edit Piaf "je ne regrete de rien". Eu não me arrependo de nada.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Marluce,

    louvada seja a tua volta.
    ando sumida também... feito fotografias guardadas num baú, mas que um dia ressurgem e nos matam de saudades! Belos versos...

    bj

    Betha

    ResponderExcluir
  18. Boa noite!!
    Parabéns e belíssima poesia!!
    Carla Fernanda

    ResponderExcluir
  19. Marluce querida, que bom te ler de novo!
    Por mais que fotografia seja legal, jamais vai captar o tempo que passou, embora seja esta nossa intenção. na foto, sempre vai faltar o sentimento, cheiros, sensações. só a memória guarda o que fomos...
    beijos

    ResponderExcluir
  20. Obrigada, querida.
    Posto hoje (21/03)
    Bjos ;)

    ResponderExcluir
  21. Incrível poema.
    Como diz uma premissa filosófica, o "ser" não é algo estático, assim, é impossível nos definirmos, isso porque quando o fazemos já estamos dizendo algo que não mais é como foi dito.

    No fundo, somos mutáveis e nada pode ser mais eficaz do que que uma fotografia para nos mostrar isso.

    Como bem escreveu Arnaldo Antunes, em "Não vou me adaptar":

    "Eu não caibo mais nas roupas que eu cabia
    Eu não encho mais a casa de alegria
    Os anos se passaram enquanto eu dormia
    E quem eu queria bem me esquecia

    Será que eu falei o que ninguém ouvia?
    Será que eu escutei o que ninguém dizia?
    Eu não vou me adaptar, me adaptar (3x)

    Eu não tenho mais a cara que eu tinha
    No espelho essa cara já não é minha
    É que quando eu me toquei achei tão estranho
    A minha barba estava deste tamanho."


    Parabééns por ter conseguido, tão lindamente, traduzir o fenômeno da passagem do tempo! adoramos a sua volta.

    ResponderExcluir
  22. Um desencontro, talvez...
    Marque logo um encontro com o túnel do tempo... Pegue sua menina de volta... Ela grita para ser uma só com você. Vire menina mulher.

    Moça, adorei seu blog e toda sua essência, cada palavra escrita, minha alma tocou.

    Shalom
    http://minhaalmaepoesia.blogspot.com/

    ResponderExcluir