Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



sexta-feira, 25 de março de 2011

Na gaveta


.

.

.Salvador Dali
.

.


Em minha gaveta



Há botões que nunca desabrocham...



Linhas inimagináveis!



Agulha(da)s que ferida... feri!




Fitas também, que envolveram presentes... já passados!



Alfinetes que me apontam a direção...



Zíper que às vezes aberto, muitas vezes, fechado...



Uma fita métrica bem surrada, com ela vou aprendendo a dimensão das coisas... das pessoas... (inclusive de mim...)



Tenho uma gaveta cheinha, uma porção de coisas...


Coisas que na faxina, para limpar a gaveta, esvaziá-la, para preenchê-la,
Há sempre





Uma teia desfeita,

E uma aranha morta!


.
.
.
.


Marluce Freire Nascasbez
.
.
.

17 comentários:

  1. Oi, Marluce!
    É preciso vasculhar as gavetas, sempre! Retirar traças, teias e aranhas mortas. "Esvaziá-la, para preenchê-la" (adorei isso!).
    A ilustração é perfeita! É uma tela de Salvador Dali?
    Fiquei muito feliz em poder reunir pessoas que gosto e admiro no Dia da Poesia. Só temos a ganhar com essa interação.
    Beijos e um ótimo fim de semana, amiga ;)

    ResponderExcluir
  2. Que criatividade minha amiga parabens! Usando sua gaveta fizeste um belo texto. Beijos

    ResponderExcluir
  3. LINDO!!!

    "...Uma fita métrica bem surrada, com ela vou aprendendo a dimensão das coisas... das pessoas... (inclusive de mim...)"

    Tenha um Lindo Fim de Semana!!!
    Paz e Luz!!!

    ResponderExcluir
  4. Olá amiga Marluce

    Antes de mais, muito obrigada por me seguir, não é todos os dias que temos o prazer de ver chegar gente tão interessante a nossa casa. Obrigado por isso, vou fazer por merecer.

    Parabens pelo seu blogue, vou ficar um pouco mais apreciando.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Marluce, adorei o desfecho dado ao poema. Profundo, faz pensar...Beijos, amiga.

    ResponderExcluir
  6. Minha linda poetisa!

    Lindo o seu poema, linda a sua gaveta. É um dos mais belos que vc escreveu. Nessa sua gaveta deve haver tantas lembranças, tantos momentos tão bem vividos...
    Vc coloca o coração em tudo que faz! Ele tbm deve estar pulsando aí dentro.

    Um bjo enorme, querida!

    ResponderExcluir
  7. Uma linda faxina, Marluce, num belo poema!

    abçs

    Betha

    ResponderExcluir
  8. E assim vamos tecendo e costurando a vida...
    Às vezes precisamos também duns remendos!

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde, querida amiga Marluce.

    Que maravilha de poema, menina!! Essas gavetas são repletas de emoções.
    Parabéns!!

    Um grande abraço.
    Tenha uma linda semana,cheia de paz e amor.

    (Muito obrigada pelo carinho)

    ResponderExcluir
  10. Olá amiga.
    De vez em sempre devemos vasculhar a gaveta de nossa vida
    Lêr um passado, jogar fora que desejamos esquecer
    Apagar sentimentos que já estão amarelados
    Vou fazer o mesmo, aproveitar sua carona.
    Já estou abrindo minha gaveta.....

    Tenhas uma noite regada de muito amor
    Beijos
    Preciosa Maria

    ResponderExcluir
  11. Exatamente como minhas gavetas...

    Um beijo Marluce (Amadaaaaaaa)

    Uma semana bem bonita, com gavetas renovadas.

    ResponderExcluir
  12. Marluce,
    Às vezes é no vasculhar das velhas coisas que apreendemos um sentido, um sinal, a compreensão de...

    Beijo :)

    ResponderExcluir
  13. E assim a vida vai sendo costurada. Um alinhavo aqui, um cerzido ali, uma prega acolá... E assim vamos consertando o que o tempo e as agruras da vida estragam.
    Lindo seu blog e sigo-te.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Eu não sei. Mas não consegui deixar o comentário vinculado ao teu post mais recente. Não encontrei o link. Mas acrescento mais uma palavra às tuas. PERSEVERANÇA! José Alencar foi um perseverante. E quanto ao banner que pegou em meu blog acho que ficou bom na coluna da esquerda e ainda bem no alto. Talvez lembre que o gesto é dos mais significativos!

    ResponderExcluir
  15. As gavetas podem conter belas histórias, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  16. Bastante criativa e verdadeira a poesia!

    ResponderExcluir