Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



sexta-feira, 3 de julho de 2009

Cotidiano Sertanejo

O sertanejo acorda,
O céu o espera em espetáculo!

Um restinho de noite ainda teima ficar
Quer ver o dia em luz abrindo-se!
É o sol
A flor da luz
Que ora é espinho, só dor...
Bem depois ele é flor!
Nessa hora ainda, o sertanejo
Olha para o céu
Acredita em dias melhores,
Hoje não!

Ele espera!
Encosta a enxada no chão
A semente cravada na terra
Aguada pelo seu suor
Guarda-se para mais tarde,
Assim também ele!

Acende uma vela ao santo
Iluminar sua fé!

Nos dias de espera,
A esperança espera-o
Ela é paciente, espera-o
E compreende se ele desesperar...

No céu ele vê sinais,
Que o sertanejo entende
Ele conhece esses sinais
Quase tanto os seus...

E o crepúsculo avizinha-se
O sol quase indo,
Ainda deixa uns teimosos raios
De si para olhar a noite!
E o céu já sem estrelas
Todas elas nos olhos do sertanejo
Que está a olhar o céu!
O sertanejo dorme
A natureza guarda para ele
Um amanhã espetacular!


Marluce Freire Nascasbez

Nenhum comentário:

Postar um comentário