Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



segunda-feira, 5 de abril de 2010

.




Quando o sol nunca se põe...
.

O sertanejo anda solitário pelo sertão,
Põe seus olhos no sol
Que deposita seus raios melancólicos
No mato despido!
Entre o mato a seca brava castiga o sertão...
Seguido pelo eco de seus passos
Que são esmagados pelo vazio:

Um riacho sem água,

Uma árvore nua,

Um pássaro calado,

Um fruto morto,

Uma semente em pó, falecida sob o chão...

Um coração calejado, mas pulsa!
(Enigma da lei da subsistência)
.
.
Entre o mato despido
O sol nunca se põe,
Cansado de amarelar as folhas da história
Das secas do meu sertão!






Marluce Freire Nascasbez
.
Foto: Elisangela Medeiros
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário