Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



domingo, 26 de setembro de 2010

Em uma última primavera






Essa é a última primavera

Em que Júlia planta roseira!


A derradeira roseira de sua vida inteira,

Ela termina de cravar na terra

Seus espinhos

De posteriores rosas,

De porvir perfume...


Que já bem logo mais tarde

Quando os espinhos eclodirem raízes

E seus caules desabrocharem rosas,

Exalará perfume!

Que terão o cheiro das mãos de Júlia

Eternamente impregnado em outras rosas

Que seguiram em outras primaveras...


E a roseira que ela plantara,

Já em rosas

Irá antes de outra primavera,

Beijar o seu rosto

Desfalecido no caixão...




Marluce Freire Nascasbez
.
.

12 comentários:

  1. OI querida amiga!

    Passando para dizer que vc está no meu mural de amigos, quando der dê uma passadinha lá, fiz com carinho!

    Que linda postagem! Que lindo blog!

    Beijos meus!! Ester

    ResponderExcluir
  2. Marluce, que linda homenagem, mas estou muito emocionada com seus versos, querida!
    Júlia deve ter sido muito amada por vc pois esta poesia nos passa toda a ternura de uma grande saudade.

    Bjs querida

    ResponderExcluir
  3. Marluce,


    Lindooo...mesmo que triste, dolorido, mas tão real.

    Um abraço meu!

    ResponderExcluir
  4. Intenso! Triste! E fiquei pensando em Júlias, em rosas, em primaveras...
    Bjs*

    ResponderExcluir
  5. As perdas são sempre difíceis, de serem superadas, estou sentindo isso na pele, de fato. Gostei da sua visita, do seu blog, e de suas palavras. Estou a te seguir. Grande beijo,

    Dan

    ResponderExcluir
  6. Triste, mas lindo... assim são os poemas.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Emocionante... muito emocionante!!!

    Fica a pergunta! Sem querer ser indiscreta! O que a motivou ou a inspirou escrever algo tão poético e triste... o poema escorre saudade e beleza!

    Deixo beijo Marluce!
    Com carinho
    Sil

    ResponderExcluir
  8. Oi , Marluce !

    Tão tristemente linda essa poesia ...
    Senti o perfume das rosas nas mãos
    de Júlia .
    Me emocionei , amiga.

    BjO e uma Noite de Paz ...

    ResponderExcluir
  9. Quando ela fala, parece
    Que a voz da brisa se cala;
    Talvez um anjo emudece
    Quando ela fala

    Machado de Assis, pra você.

    ResponderExcluir
  10. Oi Marluce
    Realmente triste, acho que nunca nos acostumaremos com as perdas. Ausência , dói muito.
    Bjux

    ResponderExcluir
  11. Acho que Vinicius disse que a tristeza também pode ser bela..

    ResponderExcluir
  12. .

    Lindo, apesar de triste.
    Mas cabe a consolação de que a júlia exalará perfume por todas as primaveras... eternamente... eternamente...

    Beijos, Marluce.

    PS: Bom que não queiras mudar, sinal que está tudo bem. Que assim permaneça.

    .
    .

    ResponderExcluir