Quando escrevo sinto a vida asfixiando a morte!



Marluce Freire Nascasbez


Charme? Caráter? Fosse o que fosse, ela tinha isso.


Virginia Woolf



sexta-feira, 12 de novembro de 2010

.
.

Batidas na porta da frente,

Gelei, era ele, fingido de vento...



Não abri,

Mantive a porta fechada!




Deixei o vento soprá-lo!





Marluce Freire Nascasbez
.
.

3 comentários:

  1. [testemunha e postigo, a porta que se revela na palavra: lavra linha onde se esconde o vento]

    um imenso braço,

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marluce,

    será que o vento soprou? diria que sim... mas ele volta!

    abç

    Betha

    ResponderExcluir